Deus se revelou e por isso o conhecemos

A cidade de São Bento do Sul-SC encontra-se numa altitude de mais ou menos 800 metros acima do nível do mar, por isso o clima geralmente é frio e bastante fechado. As manhãs de inverno são completamente tomadas por neblina, impossibilitando a visão a longa distância e, muitas vezes, não é possível ver nem mesmo alguns metros à frente. A medida em que o sol vai aparecendo, a neblina vai sumindo possibilitando ver cada vez mais longe.

Quando se fala ou pensa em Deus, é como se os olhos estivessem cercados por neblina e nada se pode ver realmente. Mas, assim como o sol vem e revela tudo o que está em volta e inclusive a si próprio, Deus da mesma forma o faz. Pode-se fazer esta analogia de que Deus é este sol, que se deixa revelar e tira a neblina de nossos olhos sendo possível o ver de forma clara.

 “Então, disse o Senhor a Moisés: Sobe a mim, ao monte, e fica lá; dar-te-ei tábuas de pedra, e a lei, e os mandamentos que escrevi, para os ensinares. Levantou-se Moisés com Josué, seu servidor; e, subindo Moisés ao monte de Deus, disse aos anciãos: Esperai-nos aqui até que voltemos a vós outros. Eis que Arão e Hur ficam convosco; quem tiver alguma questão se chegará a eles. Tendo Moisés subido, uma nuvem cobriu o monte. E a glória do Senhor pousou sobre o monte Sinai, e a nuvem o cobriu por seis dias; ao sétimo dia, do meio da nuvem chamou o Senhor a Moisés. O aspecto da glória do Senhor era como um fogo consumidor no cimo do monte, aos olhos dos filhos de Israel. E Moisés, entrando pelo meio da nuvem, subiu ao monte; e lá permaneceu quarenta dias e quarenta noites.” (Êxodo 24.12-18)

 Deus se revelou! Deus se revela ao seu povo e vem ao seu encontro deixando orientações e recomendações para serem ensinadas e obedecidas. O pacto que Deus fez com o povo por ocasião da libertação da escravidão tinha justamente como fundamento o compromisso mútuo: “Eu sou o vosso Deus, vós sois o meu povo” (Êx 6.4,6; 19.5), se “diligentemente ouvirdes a minha voz, guardardes a minha aliança” (Êx 19.5).

Deus se revela através de manifestações miraculosas e extraordinárias. Esta revelação, que não cabe na razão humana, é descrita da forma como foi vivenciada. Este é o Deus que se encontra com os seus, sobre as nuvens. Deus é Senhor, Todo-Poderoso, e por isso se encontra longe e a experiência que Moisés teve com Deus foi definitivamente extraordinária, ou seja, isto não acontecia todos os dias e com todas as pessoas. E o mais perto que poderia se chegar de Deus foi o que Moisés fez, subindo no monte Sinai e permanecendo lá quarenta dias e quarenta noites.

Deus fez uma aliança com o seu povo. Isto porque ele não é um Deus que cria e deixa a mercê, que liberta e deixa morrer de fome, ou seja, ele não dá corda no mundo, como se faz em um brinquedo, e sai de férias. Deus escolheu o povo de Israel como seu povo e quer caminhar ao lado dele. Afinal, grandes seriam as tentações deste povo em desviar-se do único e verdadeiro Deus, para ir em busca de outros deuses dos povos vizinhos. Assim, ele dá as tábuas da Lei para Moisés com a finalidade do povo não se desviar do caminho do Senhor, lembrar sempre de novo que a escravidão é passado e que agora o povo estava liberto e, não apenas isso, mas também que Deus continuaria com estas pessoas a qual havia escolhido.

Deus se revelou no monte Sinai para Moisés e também entregou as tábuas da Lei, ou seja, instruções para guiar o povo. Entretanto, ele não apenas se revelou no monte Sinai de forma extraordinária, mas se revelou ao mundo inteiro em seu único Filho: Jesus Cristo!

Em Jesus Cristo é revelado o rosto de Deus, é possível ver a Deus face a face. Assim, o mesmo Deus que se revelou no monte Sinai para Moisés, agora desce do monte e se faz presente a todas as pessoas em Jesus Cristo. Hoje, tem-se algum conhecimento sobre Deus porque primeiro ele se deixou conhecer. Em momento algum o ser humano consegue, com suas próprias forças, conhecer a Deus, mas é Ele quem se revela e vem ao encontro da humanidade. Desta maneira, Deus não está longe, Ele está aqui e agora, presente! É possível crer nisso por intermédio do agir do Espírito Santo.

A maravilha deste texto é que Deus mostra a sua glória, Deus se mostra a Moisés no monte! Pode-se pensar: também não deveria o homem moderno subir ao monte para ver Deus? Para falar com ele? Não! Não é preciso subir em montes, fazer coisas miraculosas, nem mesmo matar um animal para ter paz com Deus. Caso isso ainda fosse necessário é porque Jesus Cristo não foi suficiente! Mas hoje, aquele que crê está sob Cristo, pois ele é suficiente, já que é o Deus verdadeiramente presente. Esta aliança é eterna, não tem fim, pois a sua doação foi completa. Em Jesus Cristo Deus se revelou de forma ainda mais extraordinária do que se poderia imaginar. Por causa deste Cristo, não é preciso fazer como Moisés para ter um tempo com Deus, pois ele vem ao encontro e possibilita esse relacionamento para o mundo.

 “Porque não vos demos a conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo seguindo fábulas engenhosamente inventadas, mas nós mesmos fomos testemunhas oculares da sua majestade, pois ele recebeu, da parte de Deus Pai, honra e glória, quando pela Glória Excelsa lhe foi enviada a seguinte voz: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. Ora, esta voz, vinda do céu, nós a ouvimos quando estávamos com ele no monte santo. Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração, sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo.” (2 Pedro 1.16-21)

O texto de Pedro mostra que os discípulos falaram sobre o que viram e ouviram sobre Jesus, testemunhando de forma sincera. Eles deixaram claro que o relato sobre Jesus não se trata de uma mentira e nem mesmo alucinação. Assim como Moisés, esses discípulos e tantas outras pessoas tiveram um tempo com o próprio Deus e a partir disso não ficaram caladas diante do que viram e ouviram, mas testemunharam sua fé.

Você tem tempo com Deus? Reconhece que esta aliança é feita por Jesus Cristo e ela não tem data de validade, mas é eterna? Deus está no meio da humanidade e sobre isso não há dúvidas, mas as pessoas também estão com Ele?

Não é preciso procurar! Não precisa procurar a Deus em coisas ou em igrejas que prometem o céu na terra. É fundamental voltar a Jesus Cristo! Deus desceu do monte para encontrar os homens, mas se as pessoas subirem ao monte para o achar, pensando que ele está em outros lugares e não em Jesus Cristo, enganam a si próprias. É necessário ter tempo com Deus, falar com Cristo! Orar a ele! E assim, proclamar o que se tem visto e ouvido, testemunhar o que ele já fez e acreditar que suas instruções fazem olhar para o lado e perceber que não se esta sozinho, mas que se pode contar com o irmão ou a irmã que está ao lado. Deus não está longe, Deus desceu do monte, ele está aqui!

A frase de Emil Brunner é pertinente: “Só poderíamos conhecer bem a Deus, se ele a nós se revelasse. A razão, a consciência e a natureza com suas maravilhas nos afirmam que há um Deus, mas não nos explicam quem ele é. Ele mesmo nos diz em sua revelação”[1]. Sua revelação é o verbo encarnado: Jesus Cristo, o Deus-Filho que por todos se entregou, morreu e ressuscitou. Ele fez a neblina desaparecer para que se pudesse ter relacionamento com Deus. Amém.

[1] BRUNNER, Emil. Nossa Fé. Trad. Helberto Michel. Editora Sinodal: São Leopoldo, 1966, p. 12.

Texto: Sabrina Alves de Jesus da Silva Krüger

Arte da capa: Ana Carolina Gohl Nagel

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *